Beatitude - Osho

Consciência de Pecado Adquirida

O meu ponto de vista é o de que o homem veio saber sobre a meditação pelo orgasmo, porque na vida não há nenhum outro momento que se aproxime tanto da meditação.

Mas todas as religiões são contra o sexo. Elas são a favor da meditação, mas não são a favor do começo, da experiência básica que o levará à meditação. Assim, elas criaram uma humanidade pobre - não apenas materialmente, mas também espiritualmente. Elas condicionaram a sua mente contra o sexo e de tal forma que, sob a pressão biológica, você entra nele, mas nessa pressão você não pode ter a experiência da liberdade do orgasmo, a infinitude que de repente se torna acessível a você - a eternidade do momento, a profundidade, a profundidade abissal da experiência.

Pelo fato de o homem ter sido provado da beatitude do orgasmo, ele se tornou incapaz de saber o que é a meditação. E isso é o que todas as religiões querem: que você nunca pense em meditação - nunca fale sobre isso, nunca leia, pesquise, ouça palestras sobre o assunto... Tudo isso criará mais frustração em você, porque você entende tudo intelectualmente sobre meditação, mas não tem nenhuma base existencial, nem mesmo uma gota da experiência que possa provar que, se a gota está ali, o oceano também deve estar em algum lugar.

A gota é a prova existencial do oceano. A biologia é muito mais piedosa do que as igrejas, sinagogas, templos e mesquitas. (...) A biologia é a sua natureza; ela não tem senão compaixão por você. Ela deu-lhe tudo o que era possível para você ascender, para alcançar um estado sobrenatural.

Durante toda a minha vida tenho lutado contra os idiotas. Eles não podem responder a mim, ao meu argumento, que é simples: você fala sobre meditação, mas terá de dar alguma prova existencial na vida humana; caso contrário, as pessoas ouvirão apenas palavras. (...).

Osho

Fonte: http://consciente-mente.blogspot.com/2009/08/olhe-bem-de-perto-nisargadatta-maharaj.html

Início - Introdução

0 comentários:

Postar um comentário

Maior é o que está em vós do que o que está no mundo (I João 4:4)