A experiência direta (continuação) - Nisargadatta

Você Já É Universal

Pergunta: Como posso tornar-me universal?

Maharaj: Mas você já é universal. Você não necessita nem pode tornar-se o que já é. Só deixe de imaginar que você é o particular. O que vem e vai não tem ser. Ele deve sua própria aparição à realidade. Você sabe que existe um mundo, mas o mundo conhece você? Todo conhecimento flui de você, assim como todo ser e toda alegria. Compreenda que você é a fonte eterna, e aceite tudo como próprio. Tal aceitação é verdadeiro amor.

P: Tudo o que diz soa muito bonito. Mas como alguém pode fazer disto um modo de vida?

M: Sem nunca ter abandonado a sua casa, está perguntando pelo caminho para casa. Livre-se das falsas ideias, isso é tudo. Juntar ideias corretas não o levará a nenhum lugar. Simplesmente deixe de imaginar.

P: Não é uma questão de realização, mas de entendimento.

M: Não tente entender! É suficiente que não entenda mal. Não confie em sua mente para alcançar a liberação. É a mente a que o levou à escravidão. Vá além dela de uma vez. O que não tem princípio não pode ter uma causa. Não é que você soubesse o que era e então esqueceu. Uma vez que saiba, não pode esquecer. A ignorância não tem princípio, mas pode ter fim. Investigue quem é ignorante, e a ignorância se dissolverá como um sonho. O mundo está cheio de contradições, daí que você busca a harmonia e a paz. Mas estas não podem ser encontradas no mundo, pois o mundo é filho do caos. Para encontrar ordem tem que buscar dentro de si mesmo. O mundo aparece só quando você nasce em um corpo. Sem corpo não há mundo. Primeiro investigue se você é o corpo. A compreensão do mundo chegará depois.

P: O que você diz soa convincente, mas para que serve à pessoa em particular, para quem sabe que está no mundo e é do mundo?

M: Milhões de pessoas comem pão, mas poucos conhecem tudo sobre o trigo. E só aqueles que sabem podem melhorar o pão. De modo similar, só aqueles que conhecem o ser, que viram além do mundo, podem melhorar o mundo. O valor que eles têm para as pessoas é imenso, já que são sua única esperança de salvação. O que está no mundo não pode salvar o mundo; se realmente se interessa em ajudar o mundo, deve sair dele.

P: Mas pode alguém sair do mundo?

M: Quem nasceu primeiro, você ou o mundo? Enquanto der prioridade ao mundo, estará limitado por ele; uma vez que compreenda, sem o menor traço de dúvida, que o mundo está em você e não você no mundo, você está fora dele. Certamente, seu corpo permanece no mundo e do mundo, mas você não é enganado por ele. Todas as escrituras dizem que, antes que o mundo fosse, o criador era. Quem conhece o criador? Só o que existia antes do criador, seu próprio ser real, a origem de todos os mundos com seus criadores.

P: Tudo o que você diz é mantido pela sua compreensão de que o mundo é sua própria projeção. Você admite que se refere a seu próprio mundo pessoal, subjetivo, o mundo dado a você através de sua mente e seus sentidos. Nesse sentido cada um de nós vive em um mundo de sua própria projeção. Estes mundos privados dificilmente se tocam uns com os outros e surgem, e se dissolvem, no "eu sou" em seu centro. Mas, com toda certeza, por trás destes mundos privados, há de existir um mundo objetivo, comum, do qual os mundos privados são meras sombras. Nega você a existência de tal mundo objetivo, comum a todos?

M: A realidade não é nem objetiva nem subjetiva, nem matéria nem mente, nem tempo nem espaço. Estas divisões necessitam de alguém a quem acontecer, um centro consciente separado. Mas a realidade é tudo e nada, a totalidade e a exclusão, a plenitude e o vazio, totalmente consistente, absolutamente paradoxal. Você não pode falar sobre ela, pode apenas perder seu ser nela. Quando você nega realidade a tudo, chega a um resíduo que não pode ser negado. Toda conversa sobre gnana é um sinal de ignorância. É a mente que imagina que não sabe e então vem a saber. A realidade não conhece nada destas contorções. Mesmo a ideia de Deus como criador é falsa. Devo meu ser a qualquer outro ser? Por que eu sou, tudo é.

P: Como é possível? Uma criança nasce dentro do mundo, não o mundo na criança. O mundo é velho e a criança, nova.

M: A criança nasce dentro de seu mundo. Agora, você nasceu dentro do mundo, ou o mundo apareceu a você? Nascer significa criar um mundo ao redor de você como o centro. Mas você criou a você mesmo? Ou alguém criou você? Todos criam um mundo para si mesmo e vem nele, aprisionados pela própria ignorância. Tudo o que temos que fazer é negar realidade a nossa prisão.

P: Justamente como o estado de vigília existe no sonho em forma de semente, assim o mundo que a criança cria ao nascer existia antes de seu nascimento. Com quem repousa a semente?

M: Com aquele que é testemunha do nascimento e da morte, mas nem nasce nem morre. Só ele é a semente da criação assim como seu resíduo. Não peça à mente que confirme o que está além dela. A experiência direta é a única confirmação válida.

Nisargadatta maharaj



0 comentários:

Postar um comentário

Maior é o que está em vós do que o que está no mundo (I João 4:4)