A Realização é Eterna e Já Existe Aqui e Agora - Ramana Maharshi


Você Não Deve Confundir o Ego ou a Ideia do Corpo Com o Ser

Bhagavan: O ser individual que identifica a sua existência com a da vida no corpo físico como "Eu" é chamado de ego. O Ser (self), que é pura consciência, não tem sentido de ego a esse respeito. Nem pode o corpo físico, que é inerte em si, ter esse sentido de ego. Entre os dois, ou seja, entre o Ser ou a pura consciência e o inerte corpo físico, surge misteriosamente o sentido de ego ou a noção de "eu", o híbrido que não é nenhum deles, e isso floresce como um ser humano. Este ego ou ser humano está na raiz de tudo o que é inútil e indesejável na vida. Portanto, é para ser destruído por qualquer meio possível, então Aquilo que sempre está sozinho permanece resplandecente. Isso é a Libertação ou a Iluminação ou a auto-realização.

Devoto: Bhagavan frequentemente afirma: "O mundo não está fora de você", ou "tudo depende de você", ou "o que existe fora de você?" Acho isso tudo enigmático. O mundo existia antes de eu nascer e continuará a existir depois da minha morte, como ele sobreviveu à morte de tantos que já viveram como eu vivo agora.

B: Eu já disse que o mundo existe por causa de você? Eu apenas coloquei a pergunta "o que existe aparte do seu Ser?" Você deve compreender que, por Ser (Self), não quero dizer nem o corpo físico, nem o corpo sutil. O que lhe é dito é que se você uma vez conhecer o Ser dentro do qual existem todas as ideias (não excluindo a ideia de você mesmo, de outros como você e do mundo), você pode realizar a verdade de que existe uma Realidade, uma Verdade Suprema, que é o Ser de todo o mundo que você vê agora, o Ser de todos os seres, o um Real, o Supremo, o eterno Ser, como distinto do ego ou do ser individual, que é impermanente. Você não deve confundir o ego ou a ideia do corpo com o Ser.

D: Então Bhagavan quer dizer que o Ser é Deus?

B: Você vê a dificuldade. A auto-inquirição, "Quem sou eu?" É uma técnica diferente da meditação - "Eu sou Shiva", ou "Eu sou Ele". Prefiro enfatizar o auto-conhecimento, pois você está preocupado primeiro com você, antes de prosseguir em conhecer o mundo ou o Senhor dele. A meditação "Eu sou Ele" ou "Eu sou Brahman", é mais ou menos mental, mas a busca pelo Ser de que falo é um método direto e é superior a ela. Pois, no momento em que você começa a busca pelo Ser e começa a ir mais fundo, o verdadeiro Ser está esperando lá para recebê-lo e então o que quer que tenha que ser feito, é feito por alguma outra coisa e você, como um indivíduo, não tem as mãos nisso. Nesse processo, todas as dúvidas e discussões são automaticamente abandonadas, assim como aquele que dorme esquece todos os seus cuidados para com o ser temporal.

D: Que certeza existe de que algo aguarda lá para me receber?

B: Quando uma pessoa está suficientemente madura ela torna-se convicta naturalmente.

D: Como pode essa maturidade ser alcançada?

B: Várias formas são prescritas. Mas qualquer que seja o desenvolvimento anterior que possa haver, a auto-inquirição séria acelera-o.

D: Isso é argumentar em círculos. Eu sou forte o suficiente para a busca, se estou maduro e é a busca que me faz amadurecer.

B: A mente tem esse tipo de dificuldade. Ela quer uma teoria fixa para satisfazer-se. No entanto, nenhuma teoria é realmente necessária para o homem que se esforça seriamente para aproximar-se de Deus ou de seu verdadeiro Ser. Cada pessoa é o Ser e, na verdade, é infinita. Contudo, cada pessoa interpreta erradamente o seu corpo como sendo o Ser. Para se conhecer alguma coisa, é necessário a iluminação. Isso só pode ser da natureza da luz, no entanto, Ele ilumina tanto a luz física quanto a escuridão física. Ou seja, Ele se situa além da aparente - luz e trevas. Ele mesmo não é nenhuma delas, mas é dito como sendo a luz porque ilumina ambos. Ele é infinito e é Consciência. A consciência é o Ser de que todas as pessoas estão conscientes. Ninguém nunca está longe do Ser e, portanto, todos são de fato auto-realizados, apenas - e esse é o grande mistério - as pessoas não sabem disso e querem realizar o Ser. A realização consiste apenas em acabar com a falsa ideia de que a pessoa não é realizada. Não é nada de novo a ser adquirido. Ela já deve existir, ou não seria eterna, e apenas pelo o que é eterno vale a pena lutar.

Uma vez que a falsa noção "Eu sou o corpo" ou "eu não sou realizado" foi retirada, a Suprema Consciência ou o Ser permanece sozinho, e em seu estado atual de conhecimento as pessoas chamam isso de "Realização". Mas a verdade é que a Realização é eterna e já existe, aqui e agora. A consciência é puro conhecimento. A mente surge dela e é composta de pensamentos. A essência da mente é apenas ciência ou consciência. No entanto, quando o ego a anuvia, ela funciona como raciocínio, pensar ou perceber. A mente universal, não sendo limitada pelo ego, não tem nada fora de si própria e, portanto, está apenas ciente. Isso é o que a Bíblia entende por "Eu sou o que sou". A mente dominada pelo ego tem a sua força drenada e é demasiadamente fraca para resistir aos pensamentos angustiantes. A mente sem o ego é feliz, como vemos no sono profundo, sem sonhos. É evidente, portanto, que a felicidade e o sofrimento são apenas modos da mente.

D: Quando eu procuro o "eu", não vejo nada.

B: Você diz isso porque você está acostumado a identificar-se com o corpo e ver com os olhos, mas o que há para ser visto? E por quem? E como? Há apenas uma consciência e esta, quando se identifica com o corpo, projeta-se através dos olhos e vê os objetos que circundam. O indivíduo é limitado ao estado desperto, ele espera ver algo diferente e aceita a autoridade de seus sentidos. Ele não vai admitir - aquele que vê os objetos observados, e o ato de ver - como sendo todos manifestações da mesma Consciência - o "eu-eu". A meditação ajuda a superar a ilusão de que o Ser é algo a ser visto. Na verdade não há nada para ver. Como você reconhece a si mesmo agora? Você tem que segurar um espelho em frente de si para se reconhecer? A consciência é ela própria o "eu". Realize isso e essa é a verdade.

D: Quando eu questiono a origem dos pensamentos, há a percepção do "eu", mas ela não me satisfaz.

B: É verdade. Porque essa percepção do "eu" está associada a uma forma, talvez com o corpo físico. Nada deve ser associado ao puro Ser. O Ser é a pura realidade, em cuja luz, o corpo, o ego e todas as coisas brilham. Quando todos os pensamentos são silenciados, a pura Consciência permanece remanescente.

D: Como o ego surgiu?

B: Não existe ego. Se existisse, você teria que admitir dois seres (Selves) em você. Portanto, não há ignorância. Se você inquirir dentro do Ser, a ignorância, que já é inexistente, será descoberta como não existente e você vai dizer que ela se esvaiu. A ausência de pensamento não significa um branco. Deve haver alguém para estar ciente daquele branco. Conhecimento e ignorância pertencem apenas à mente e estão na dualidade, mas o Ser está além de ambos. É pura Luz. Não há necessidade de um Ser ver outro. Não existem dois Seres. O que não é o Ser é mero não-ser e não pode ver o Ser. O Ser não tem visão ou audição; Ele se situa além desses, todo sozinho, como pura Consciência.

D: Não sei se o Ser é diferente do ego.

B: Em que estado você estava no sono profundo?

D: Eu não sei.

B: Quem não sabe? O ser desperto? Mas você nega que você existia enquanto em sono profundo?

D: Eu existia e existo, mas não sei quem estava em sono profundo.

B: Exatamente. O homem desperto diz que ele não sabia de nada no estado de sono profundo. Agora ele vê objetos e sabe que ele existe, mas no sono profundo não havia objetos e nem espectador. E ainda a mesma pessoa que está falando agora existia no sono profundo também. Qual é a diferença entre os dois estados? Há objetos e o jogo dos sentidos agora, enquanto em sono profundo não havia. Uma nova entidade, o ego, surgiu. Ele atua através dos sentidos, vê objetos, confunde-se com o corpo e pretende ser o Ser. Na realidade, o que estava no sono profundo continua a estar agora também. O Ser é imutável. É o ego que entrou no meio. Aquele que nasce e se põe é o ego. Aquilo que permanece imutável é o Ser.

B: Estado desperto, sonho e sono são meras fases da mente, e não do Ser. O Ser é a testemunha desses três estados. Sua verdadeira natureza existe no sono.

D: Mas somos aconselhados a não adormecer durante a meditação.

B: É contra o estupor que você deve se precaver. Esse sono que se alterna com o estado desperto não é o sono verdadeiro. Esse estado desperto que alterna com o sono não é o verdadeiro estado desperto. Você está acordado agora? Não. O que você tem que fazer é despertar para o seu verdadeiro estado. Você não deve cair no falso sono e nem permanecer falsamente desperto.

B: Embora presente mesmo no sono, o Ser não é ali percebido. Ele não pode ser conhecido no sono imediatamente. Ele deve primeiro ser realizado no estado de vigília, pois Ele é nossa verdadeira natureza subjacente a todos os três estados. Esforço deve ser feito no estado desperto e o Ser realizado aqui e agora. Ele será, então, entendido como sendo o Ser contínuo ininterrompido pela alteração da vigília, sonho e sono profundo.

Ramana Maharshi

Fonte: http://ricardo-yoga.blogspot.com/

Próximo artigo - Início

0 comentários:

Postar um comentário

Maior é o que está em vós do que o que está no mundo (I João 4:4)